RECONHECIMENTO E MENSURAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS: IMPACTO DA IFRS 9 NAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DAS SEGURADORAS NO BRASIL

Autores

Palavras-chave:

IFRS, Instrumentos Financeiros, Classificação, Mensuração, Valor Justo, Custo amortizado

Resumo

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi analisar os possíveis efeitos nas demonstrações financeiras das seguradoras brasileiras, em virtude da emissão da IFRS 9, que altera a classificação dos instrumentos financeiros para mensuração. Foram selecionadas as cinco maiores seguradoras com base em seus ativos operacionais e financeiros que servem para compor a garantia de cumprimento de suas obrigações. A partir das suas demonstrações financeiras, foi feita a reclassificação dos títulos mantidos até o vencimento, que estavam mensurados pelo custo amortizado. Em seguida, foi feita uma estimativa após a reclassificação, para analisar a diferença entre as classificações do IAS39 e o IFRS9. Com isso, foi possível verificar o impacto nas contas de instrumentos financeiros no momento da reclassificação e de forma subsequente, por meio da estimativa elaborada pela variação da taxa de juros do ETTJ, extraída da Susep. Dessa forma, foram demonstradas suas diferenças, decorrentes da marcação a mercado e variação de taxa de juros. A consequência de mercado é que a mensuração pelo valor justo demonstra maior transparência e a importância das informações contábeis para usuários externos.

Palavras chaves: IFRS, Instrumentos Financeiros, Classificação, Mensuração, Valor justo, Custo amortizado.

Abstract

The aim of this research was to identify and analyse the possible effects in security companies’ financial statements that operate in Brazil, because of the issuing if IFRS9, that alters the classification of financial instruments and their measurement criteria. It was selected the five biggest security companies concerning their operating and financial assets that aim to be a guarantee for the fulfilling of their obligations, including the classification held to maturity, measured by amortized cost. Based in their financial statements, it was made the reclassification of the held to maturity securities, previously measured by amortized cost, without the fair value marking. In second place, it was made an estimation after the reclassification, to analyze the differences between IAS39 and IFRS9 classifications. After that, it was possible to verify the impact in financial instruments accounts upon reclassification and subsequently, through an estimation carried out by the change in ETTJ interest rate, extracted from Susep. In this sense, their differences were demonstrated, due to the market to market and the interest rate variation. The market output was that the fair value measurement could give more transparency, when compared to what is happening in the market nowadays.

Keywords: IFRS; Financial instruments; Classification; Measurement; Fair Value; Amortized cost.

Biografia do Autor

Marcelo Barreto Crote, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado - FECAP

Contabilidade Financeira

Referências

Bischof, J., & Ebert, M. (2009). IFRS 7 Disclosures and Risk Perception of Financial Instruments. Forthcoming in: Schmalenbach Business Review (sbr). Recuperado de https://papers.ssrn.com/sol3/papers2.cfm?abstract_id=1506966

Banco Itaú S.A., (2016), Nota explicativa 2.2, recuperado de https://www.itau.com.br/_arquivosestaticos/RI/pdf/pt/Itau_RAC_2015_port.pdf?title=Relat%C3%B3rio%20Anual%20Consolidado%20-%202015.

Castiglione, L. (2016). Ranking das seguradoras – Jan a Nov 2015. Sindsegsp – Sindicado das Empresas Seguradoras, Resseguradoras e Capitalização. Recuperado de http://www.sindsegsp.org.br/site/content/files/estudos-economicos/635884694507479783.pdf

Circular SUSEP n. 224, de 13 de dezembro de 2002. Dispõe sobre a vigência do Plano de Contas das Sociedades Seguradoras, Resseguradoras, de Capitalização e Entidades Abertas de Previdência Complementar, instituído pela Resolução CNSP nº 86, de 19 de agosto de 2002, e revoga as Circulares SUSEP nº 131, de 8 de junho de 2000; nº 133, de 15 de junho de 2000; nº 142, de 1 de novembro de 2000; nº 150, de 29 de janeiro de 2001; n° 155, de 20 de abril de 2001; nº 192, de 26 de junho de 2002; e n° 204, de 10 de outubro de 2002. Recuperado de http://www2.susep.gov.br/bibliotecaweb/docOriginal.aspx?tipo=1&codigo=12282.

Circular SUSEP n. 483, de 1 de abril de 2014. Principais mudanças na norma contábil, recuperado de http://www.susep.gov.br/setores-susep/noticias/noticias/Apresentacao%20-%20Normas%202014%20-%20contabilidade%20-Somente%20leitura.pdf

Circular Bacen n. 3.068 de 8 de novembro de 2001. Estabelece critérios para registro e avaliação contábil de títulos e valores mobiliários. Recuperado de http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/circ/2001/pdf/circ_3068_v3_L.pdf

Comissão de valores mobiliários – CVM, (1976), Sobre a CVM. Recuperado de http://www.cvm.gov.br/menu/acesso_informacao/institucional/sobre/cvm.html.

Comunicado n. 14.259, de 10 de março de 2006. Estabelece a convergência das normas de contabilidade e auditoria com as normas internacionais promulgadas pelo International Accounting Standards Board (IASB). Recuperado de https://www3.bcb.gov.br/normativo/detalharNormativo.do?method=detalharNormativo&N=106064950.

Ernst & Young, & Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais E Financeiras. (2010). Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras (2a ed. atual. conforme pronunciamentos emitidos até novembro de 2009 pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC)). São Paulo: Atlas.

Estruturas a Termo das Taxas de Juros – ETTJ (2016), Estimativa de taxa de juros para projeção futura, recuperado de http://www.susep.gov.br/setores-susep/cgsoa/coris/dicem/modelo-de-interpolacao-e-extrapolacao-da-ettj.

Fuji, A. H. (2008). Contabilização de títulos e valores mobiliários: Uma comparação entre as normas brasileiras, do FASB e do IASB. Revista de Contabilidade e Finanças – USP,19(47), 112–123.

Henry, E. (2009). Early adoption of SFAS nº 159: Lessons from games (Almost) played. American Accounting Association, 23(20, 181–199.

IAS 39, de 1 de janeiro de 2011. Financial instruments: Recognition and measurements. Recuperado de http://www.ifrs.org/current-projects/iasb-projects/financial-instruments-a-replacement-of-ias-39-financial-instruments-recognitio/Pages/financial-instruments-replacement-of-ias-39.aspx

IFRS 9, de julho 2014. Financial instruments: Recognition and measurements. Recuperado de http://www.ifrs.org/Current-Projects/IASB-Projects/Financial-Instruments-A-Replacement-of-IAS-39-Financial-Instruments-Recognitio/Documents/IFRS-9-Project-Summary-July-2014.pdf

Instrução CVM n. 235 de 23 de março de 1995. Dispõe sobre a divulgação, em nota explicativa, do valor de mercado dos instrumentos financeiros, reconhecidos ou não nas demonstrações financeiras das companhias abertas e dá outras providências. Recuperado de http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst235.html

Lei n. 6.385, de 7 de dezembro de 1976. Dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6385.htm

Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre a Sociedade por Ações. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6404compilada.htm

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e de Lei n. 6.385 de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas a elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm

Mattos, A. O., Filho, (1985) O conceito de valor mobiliário. Revista de Administração de Empresas, 25(2), 37-51.

Pronunciamento técnico CPC-38, de 02 de outubro de 2009. Instrumentos financeiros: Reconhecimento e mensuração. Recuperado de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/406_CPC_38_rev%2006.pdf

Saraiva, H. I. B., Alves, M. C. G., & Gabriel, V. M. S. (2015). As raízes do processo formal de harmonização contabilística, a sua evolução e influência em Portugal. De Computis - Revista Española de Historia de la Contabilidad, 12(22), 172-204.

Statement of Financial Accounting Standards SFAS n. 107, December 1991. Disclosures about fair value of financial instruments. Recuperado de http://www.fasb.org/jsp/FASB/Document_C/DocumentPage?cid=1218220123701&acceptedDisclaimer=true

Statement of Financial Accounting Standards SFAS n. 115, May 1993. Accounting for certain investments in debt and equity securities. Recuperado de http://www.fasb.org/jsp/FASB/Document_C/DocumentPage?cid=1218220123971&acceptedDisclaimer=true

Statement of Financial Accounting Standards n. 133, June 1998. Accounting for Derivative Instruments and Hedging Activities. Recuperado de http://www.fasb.org/jsp/FASB/Document_C/DocumentPage?cid=1218220124631&acceptedDisclaimer=true

Statement of Financial Accounting Standards n. 159, February 2007. The fair value option for financial assets and financial liabilities. Recuperado de http://www.fasb.org/pdf/aop_FAS159.pdf

Downloads

Publicado

2017-07-27

Edição

Seção

Evento: Seminário Étnico-Racial