Desequilíbrio técnico-atuarial em planos de benefício definido ofertados por fundos de pensão

uma análise logística multinomial

Autores

  • Tarciso Cavalcanti de Mello Filho Universidade Federal da Paraíba
  • Luiz Carlos Santos Junior Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.22567/rep.v13i1.935

Palavras-chave:

previdência complementar, , plano de benefício definido,

Resumo

O presente trabalho analisa as causas dos desequilíbrios técnicos-atuariais em planos de benefício definido ofertados por Entidades Fechadas de Previdência Complementar. O universo de pesquisa é composto por 964 planos de benefícios ofertados por EFPC’s, com dados referentes ao ano de 2020. Depois de observados alguns critérios, a amostra somou um total de 219 planos de benefício definido com um único grupo de custeio. Inicialmente, foram utilizadas estatísticas descritivas a fim de conhecer as variáveis analisadas de forma exploratória. Em seguida, foram realizadas regressões logísticas multinomiais para identificar quais das variáveis disponíveis em avaliações atuariais exercem efeito significativo sobre a variável resposta, que é o Resultado Atuarial Categorizado (RAC). Dentre os principais resultados, destaca-se o desequilíbrio atuarial de toda a amostra observada (219 planos), com 124 desses planos sendo deficitários (2 deles com necessidade de equacionamento) e 95 planos superavitários (11 deles com necessidade de destinação). No âmbito da modelagem, destaca-se o efeito da Taxa Real de Juros sobre o Resultado Atuarial Categorizado: o aumento daquela em 0,01% implicou, nesse caso, no aumento de 14,61% de chances de o plano ser deficitário. O aspecto temporal corresponde à maior limitação deste trabalho, já que os atuais limites máximos do Déficit Acumulado e da Reserva de Contingência foram implementados pela Resolução CNPC nº 30/18, o que impossibilitou o uso de dados de datas anteriores. Por outro lado, espera-se que a metodologia aqui utilizada possa ser aprimorada e amplamente utilizada em questões referentes à previdência.

Referências

Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. (2021). Consolidado estatístico. Recuperado de https://www.abrapp.org.br/wp-content/uploads/2021/06/Consolidado-Estatistico_03.2021.pdf/

Banco Bradesco. (2022). O que é previdência? Recuperado de https://banco.bradesco/html/classic/novo-educacao-financeira/previdencia/template_oqueeprevidencia.shtm#:~:text=Previd%C3%AAncia%20%C3%A9%20a%20reserva%20financeira,realizar%20um%20projeto%20de%20vida/

Batanero, C., Estepa, A., & Godino, J. D. (1991). Análisis exploratorio de datos: sus posibilidades en la enseñanza secundaria. Suma, nº 9, 25-31. Recuperado de https://www.ugr.es/~batanero/pages/ARTICULOS/anaexplora.pdf

Benelli, P., Siviero, P., & Costa, L. (2015). Estudo sobre as premissas atuariais no âmbito dos fundos de pensão. Revista Brasileira de Risco e Seguro, 11(20), 153-188. Recuperado de https://www.rbrs.com.br/arquivos/rbrs_20_7_8.pdf

Brasil. Conselho Nacional de Previdência Complementar. Resolução nº 30, de 10 de outubro de 2018. (2018). Dispõe sobre as condições e os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na apuração do resultado, na destinação e utilização de superávit e no equacionamento de déficit dos planos de benefícios de caráter previdenciário que administram, bem como estabelece parâmetros técnico-atuariais para estruturação de plano de benefícios, e dá outras providências. Recuperado de https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/52754258/do1-2018-11-30-resolucao-cnpc-n-30-de-10-de-outubro-de-2018-52754012/

Brasil. Superintendência Nacional de Previdência Complementar. Instrução Normativa nº 9, de 14 de dezembro de 2010. (2010). Dispõe sobre as demonstrações atuariais dos planos de benefícios administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar, e dá outras providências. Recuperado de https://www.gov.br/economia/pt-br/orgaos/entidades-vinculadas/autarquias/previc/regulacao/normas/instrucoes/instrucoes-previc/2010/instrucao-previc-no-9-de-14-de-dezembro-de-2010.pdf/view/

Chan, B. L. (2004). Equilíbrio atuarial dos planos de benefício definido e evidenciação das entidades fechadas de previdência complementar: um estudo de caso (Dissertação de Mestrado), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. DOI https://doi.org/10.11606/D.12.2004.tde-15092021-103206

Decreto nº 7.123, de 03 de março de 2010. (2010). Dispõe sobre o Conselho Nacional de Previdência Complementar - CNPC e sobre a Câmara de Recursos da Previdência Complementar - CRPC, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7123.htm/

Dias, C. R. B., & Santos, J. (2009). Mensuração de passivo atuarial de fundos de pensão: uma visão estocástica. In Anais do 9º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP. Recuperado de https://congressousp.fipecafi.org/anais/artigos92009/147.pdf.

Leal, A., Romeu, G., Pouso, G., Romano, G., & Alves, M. (2018). Os impactos da corrupção nos fundos de pensão. Revista Brasileira de Previdência. 9(2), 211-226. Recuperado de https://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/previdencia/article/view/4484

Lei Complementar nº 109, de 29 de maio de 2001. (2001). Dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp109.htm/

Nese, A., & Giambiagi, F. (2020). Fundamentos da previdência complementar: da administração à gestão de investimentos. São Paulo, SP: Atlas.

Nobre, W. J. (2001). As entidades fechadas de previdência privada: um estudo sobre a divulgação de Informações Contábeis (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de https://repositorio.usp.br/item/001227656

Pinheiro, R. P. (2007). A demografia dos fundos de pensão. Brasília, DF: Coronário.

R Core Team. (2021). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Recuperado de https://www.R-project.org/

Reis, A. (2019). Curso básico de previdência complementar. 4 ed. São Paulo, SP: Revista dos Tribunais.

Rodrigues, J. A. (2008). Gestão de Risco Atuarial. São Paulo, SP: Saraiva.

Sanches, G. F. (2014). Déficit em planos BD: como equacioná-lo de forma justa e duradoura. Revista Brasileira de Previdência. 5(1), 67-80. Recuperado de https://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/previdencia/article/view/4732

Schincariol, J. (2018). Fundações querem mudança em planos de benefício definido. Recuperado de https://valor.globo.com/financas/noticia/2018/07/15/fundacoes-querem-mudanca-em-planos-de-beneficio-definido.ghtml/

Silva, A. R. (2021). Regressão Logística Multinomial. Recuperado de https://operdata.com.br/blog/regressao-logistica-multinomial/

Silva, F. L., Chan, B. L., & Martins, G. A. (2007). Uma reflexão sobre o equilíbrio dos Planos de Benefícios de caráter Previdenciário a partir das demonstrações contábeis dos Fundos de Pensão. Revista de Informação Contábil, 1(1), 69-87. Recuperado de https://congressousp.fipecafi.org/anais/artigos72007/645.pdf.

Souza, L. F. D., & Costa, F. M. (2015). Equilíbrio atuarial dos planos previdenciários de benefício definido: relação entre características dos fundos de pensão e a escolha de premissas atuariais. In Anais do IX Congresso da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis (ANPCONT). Recuperado de https://anpcont.org.br/pdf/2015/MFC294.pdf

Superintendência Nacional de Previdência Complementar. (2012). Guia PREVIC: Melhores práticas atuariais para Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Brasília, DF: Previc.

Venâncio, F., & Ferreira, M. (2019). Fatores que influenciam a tomada de decisão em aderir ou não à planos de previdência complementar fechada: Construção de uma escala de cultura de acumulação de recursos e educação financeira e previdenciária. Revista Brasileira de Previdência, 10(1), 73-92. Recuperado de https://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/previdencia/article/view/4459

Vitorino, A. (2017). A necessidade de instrumento complementar ao Regime Geral de Previdência Social. Revista Brasileira de Previdência, 8(1), 144-182. Recuperado de https://repositorio.unifesp.br/items/9cf818e6-ffe7-4586-9078-978d87e363f8

Yee, T. W. (2010). The VGAM package for categorical data analysis. Journal of Statistical Software, 32(10), 1-34. DOI 10.18637/jss.v032.i10

Downloads

Publicado

2024-04-01

Como Citar

Mello Filho , T. C. de, & Santos Junior, L. C. (2024). Desequilíbrio técnico-atuarial em planos de benefício definido ofertados por fundos de pensão: uma análise logística multinomial . REVISTA ENIAC PESQUISA, 13(1), 29–50. https://doi.org/10.22567/rep.v13i1.935

Edição

Seção

Artigos