Mercados emergentes e as estratégias de inovação no Brasil

Autores

  • Caio Flavio Stettiner UNIFACCAMP
  • Edinício Oliveira Lima Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Samuel Ferreira Jr. UNIFACCAMP
  • Jomar Luiz Bellini UNIFACCAMP
  • Marco Antonio Silveira UNIFACCAMP

DOI:

https://doi.org/10.22567/rep.v10i2.814

Palavras-chave:

inovação, estratégia, mercados, emergentes

Resumo

Este estudo trata do levantamento das características do fenômeno da inovação verificada nos mercados de países emergentes, que resultaram em uma tipificação peculiar que vem sendo difundida na literatura corrente. A formação de significados para a inovação no contexto desses mercados, que podem ser representados por aqueles países que integram os chamados BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul), envolve uma triagem preliminar dos aspectos importantes que marcam sua ocorrência nesses limites territoriais. Com esta percepção, o tema é tratado de forma a permitir identificar particularidades nas categorias teóricas de inovações baseadas em tecnologias menos complexas, próprias dos mercados emergentes, em contraposição àquele modelo de inovação baseado em alta tecnologia e orientado por Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), adotado nos países centrais. Nessa perspectiva o estudo tem por objetivo montar um quadro de possíveis convergências ou dissonâncias observadas com a projeção de tais particularidades nas inovações ocorridas no Brasil, procurando jogar mais luz sobre esses novos caminhos para que se possa refletir sobre a inovação no País. Metodologicamente, o estudo vale-se de um levantamento bibliográfico, procurando subsídios teóricos e dados empíricos em base secundária para descrever e discutir aspectos do fenômeno da inovação em mercados emergentes, com destaque especial para o caso brasileiro. Em vista disso, o referencial teórico apresenta breves seções contemplando: a caracterização básica dos mercados emergentes; os tipos de inovação presentes nesses mercados; e as características que marcam a inovação no Brasil. Ao traçar algumas considerações críticas sobre a inovação no contexto nacional o estudo aponta para a defasagem do Brasil no ranque mundial, com um desempenho incompatível com o porte de sua economia. Em que pese as dificuldades observadas, surgem, graças a iniciativas arrojadas nem sempre de caráter institucional, ideias, empreendimentos novos, tecnologias de ponta, mostrando uma face potencial de um Brasil inovador. Apresenta, por último, considerações sobre a inovação no mercado brasileiro e aponta objetos merecedores de investigação futura.

Referências

Agência CNI De Notícias (2017). Editorial: Inovação E Tecnologia. Inovação no Brasil vai na contramão do mundo.

Angot, J., & Plé, L. (2015). Serving poor people in rich countries: the bottom-of-the-pyramid business model solution. Journal of Business Strategy.

Ansoff, H. I. (1965). Estratégia Corporativa: Uma Abordagem Analítica da Política Empresarial para Crescimento e Expansão. New York: McGraw-Hill;

Araújo, U. P., Antonialli, L. M., Brito, M. J. D., Gomes, A. F., & Oliveira, R. F. D. (2011). Consubstanciação da imagem da Embrapa no campo científico. Revista de Administração Pública, 45, 775-812.

Barki, E., & Parente, J. (2010). Consumer Behaviour of the Base of the Pyramid Market in Brazil. Greener management international, (56).

Barney, J. B.& Hesterly, W. S (2008). Administração Estratégica e Vantagem Competitiva. Pearson Prentice Hall Editora,

Bennett, J. (2010). Television personalities: Stardom and the small screen. Routledge.

Bernardes, R., Borini, F. M., Rossetto, D. E., & Pereira, R. M. (Eds.). (2020). Inovação em mercados emergentes. Editora Senac São Paulo.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Empreendedorismo e inovação.

Bhatti, Y. A. (2012). What is frugal, what is innovation? Towards a theory of frugal innovation. Towards a Theory of Frugal Innovation (February 1, 2012).

BRASIL IBGE/PNAD (2018). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua.

BRASIL IBGE (2017/18) -Pesquisa do Orçamento Familiar.

Brem, A., & Wolfram, P. (2014). Research and development from the bottom up-introduction of terminologies for new product development in emerging markets. Journal of Innovation and Entrepreneurship, 3(1), 1-22.

Bulmer, M. (Ed.). (1984). Sociological research methods: An introduction. Macmillan International Higher Education.

Caron, A. (2004). Inovação tecnológica em pequenas e médias empresas. Revista FAE Business, 8, 25-28.

Cha, V. (2012) Shanzhai and Growth Hacking. Slide.

Chandler Jr.A. & Daems, H (1994). Hierarquias de Gestão: perspectivas comparativas sobre o moderno desenvolvimento da empresa industrial. Oieiras: Celta Editora.

Christensen, C. M. (2019). O dilema da inovação: quando as novas tecnologias levam empresas ao fracasso. M. Books Editora.

Creswell, J., Bekk, J., French, S., Fumerton, R., & Norris, C. Ementário e Bibliografia.

Drucker, P. F. (2000). Inovação e epírito empreendedor. Cengage Learning Editores.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of management review, 14(4), 532-550.

FAO. Número de pessoas que passam fome está abaixo de 800 milhões: o próximo objetivo é a erradicação. 27/05/2015. Disponível em http:// www.fao.org/brasil/noticias/detail- events/en/c/292931. Acesso em 14/07/2019.

FGV-EAESP/GV (2008). Pesquisa. São Paulo, Relatório n. 16.

Figueiredo, P. N (2011) .Gestão da Inovação: conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil. Rio de Janeiro: LTC.

Flick, U. (2009). Pesquisa qualitativa e quantitativa. Artmed.

Fressoli, M., Arond, E., Abrol, D., Smith, A., Ely, A., & Dias, R. (2014). When grassroots innovation movements encounter mainstream institutions: implications for models of inclusive innovation. Innovation and Development, 4(2), 277-292.

Frugal. (2019). Em OxfordDictionaries.com. Recuperado de https://en.oxforddictionaries.com/definition/frugal

Gaggi, M, & Narduzzi, E (2006). Low Cost: O fim da classe média, Teorema.

Guesalaga, R., & Marshall, P. (2008). Purchasing power at the bottom of the pyramid: differences across geographic regions and income tiers. Journal of Consumer Marketing.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa/–12. Reimpressão.–São Paulo: Atlas, 2009. Como elaborar projetos de pesquisa./5. Ed.–São Paulo: Atlas.

Govindarajan, V., & Ramamurti, R. (2011). Reverse innovation, emerging markets, and global strategy. Global Strategy Journal, 1(34), 191-205.

Govindarajan, V., & Trimble, C. (2012). Reverse innovation: a global growth strategy that could pre‐empt disruption at home. Strategy & Leadership.

Grizendi, E. (2011). Manual de orientações gerais sobre inovação.[Brasília, DF]: Ministério das Relações Exteriores. Departamento de Promoção Comercial e Investimentos. Divisão de Programas de Promoção Comercial.

Guia do Investidor. O que são mercados emergentes? O Brasil faz parte?; disponível em https://guiadoinvestidor.com.br/o-que-sao-mercados-emergentes-o-brasil-faz- parte/, publicado 12/02/2019; acessado em 03/07/2019.

Hitt, M. A., Ireland, R. D., & Hoskisson, R. E. (2008). Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Cengage Learning.

Global Innovation Index (GII) (2018) publicação da Business School Insead, da Cornell University, e da World Intellectual Property Organization.

Instituto Kairós. Disponível em http://institutokairos.org.br/tecnologias-sociais. Acesso em 14/07/2019.

Kenski, V. W. (2011). INOVAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL. Revista Científica Hermes, 5.

Khalid, R. U., Seuring, S., Beske, P., Land, A., Yawar, S. A., & Wagner, R. (2015). Putting sustainable supply chain management into base of the pyramid research. Supply Chain Management: An International Journal.

Köche, J. C. (2010) Fundamentos de metodologia científica. 27. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lisowska, R., & Stanisławski, R. (2015). The cooperation of small and medium-sized enterprises with business institutions in the context of open innovation. Procedia Economics and Finance, 23, 1273-1278.

Maçães, M. A. R. (2018). Empreendedorismo, inovação e mudança organizacional. Leya.

Miranda, A. L. B. B., de Araujo, I. T., de Oliveira Freire, B. G., & Fernandes, A. J. (2019). Inovação nas universidades: uma análise do novo marco legal. Revista ENIAC Pesquisa, 8(1), 85-98.

OCDE-Manual de Oslo.Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3ª. ed. FINEP – Eurostat, 2005. http://download.finep.gov.br/dcom/brasil_ inovador/ arquivos/manual de oslo/prefacio.html Acesso em: 17 jun. 2019.

Mintzberg, H. (2006). O processo da estratégia-4. Bookman Editora.

Porter, M. E. (1992). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior (Vol. 1). Rio de Janeiro: Campus.

Prahalad, C. K., & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro, 28a reimp Rio de Janeiro: Campus.

Prahalad, C. K. (2005). A riqueza na base da pirâmide. Porto Alegre: Bookman.

Quinn, J. B. (1996). Empresas muito mais inteligentes. Makron Books.

Reinert, E., & Reinert, S. (2003). Innovation system of the past: modern nations-states in a historical perspective. The role of innovations and systemic effects in economic thought and policy. In The First Globelics Conference, Rio de Janeiro.

Rocha, A. R., & da Rocha, Â. (2012). Consumidores da base da pirâmide e as restrições ao lazer. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 6(2), 1-13.

RTS. Rede de Tecnologia Social (2015). Disponível em http://www.rts.org.br. Acesso em 08/09/2016.

Sachs, J. (2008). The end of poverty: Economic possibilities for our time. European Journal of Dental Education, v.12, n.1, p.17-21.

Sánchez, C. M., & Schmid, A. S. (2013). Base of the pyramid success: A relational view. South Asian Journal of Global Business Research.

Sarkar, S. (2008). O empreendedor inovador: faça diferente e conquiste seu espaço no mercado. Rio Janeiro: Elsevier.

Scheinkman, R (2018) Ecossistema brasileiro de inovação necessita de conexão com hubs de inovação global. IT Forum.

Schumpeter, J. A. (1997). Os Economistas–Teoria do Desenvolvimento Econômico. Editora Nova Cultural. São Paulo.

Seuring, S., & Gold, S. (2012). Conducting content‐analysis based literature reviews in supply chain management. Supply Chain Management: An International Journal.

Seyfang, G., Smith, A.(2007). Grassroots innovations for sustainable development: towards a new research and policy agenda. Environmental Politics 16, 584–603, 2007

Shenkar, O. (2010). Copycats: How smart companies use imitation to gain a strategic edge. Strategic Direction.

Smith, A., Fressoli, M., & Thomas, H. (2014). Grassroots innovation movements: challenges and contributions. Journal of Cleaner Production, 63, 114-124.

Tiwari, R., & Herstatt, C. (2012). India-a lead market for frugal innovations? Extending the lead market theory to emerging economies. TIM/TUHH Working Paper, (67).

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e métodos. Bookman editora.

Van de Ven, A. H. (1986). Central problems in the management of innovation. Management science, 32(5), 590-607.

Vita, C. A., de Góes, H. J., Pereira, V. A., Moura, L. R. C., & da Costa Birchal, R. A. M. (2020). Gestão da inovação. REMIPE-Revista de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedorismo da Fatec Osasco, 6(1), 187-205.

Williamson, P. J., & Zeng, M. (2009). Value-for-money strategies for recessionary times. Harvard Business Review, 87(3), 66-74.

Wolf, M. (2004). Why globalization works (Vol. 3). Yale University Press.

Wooldridge, A (2017) Grande Disrupção - o desafio dos mercados emergentes em inovação e fabricação. The Economist (Economist Books).

Woschke, T., & Haase, H. (2016). Enhancing new product development capabilities of small-and medium-sized enterprises through managerial innovations. The Journal of High Technology Management Research, 27(1), 53-64.

Zeschky, M., Widenmayer, B., & Gassmann, O. (2011). Frugal innovation in emerging markets. Research-Technology Management, 54(4), 38-45.

Zeschky, M. B., Winterhalter, S., & Gassmann, O. (2014). From cost to frugal and reverse innovation: Mapping the field and implications for global competitiveness. Research-Technology Management, 57(4), 20-27.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Stettiner, C. F., Oliveira Lima, E. ., Ferreira Jr., S. ., Bellini, J. L. ., & Silveira, M. A. . (2021). Mercados emergentes e as estratégias de inovação no Brasil. REVISTA ENIAC PESQUISA, 10(2), 255–281. https://doi.org/10.22567/rep.v10i2.814

Edição

Seção

Artigos