Criptomoedas: tendência ou realidade? Evidências a partir das demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22567/rep.v10i2.788

Palavras-chave:

criptomoeda, blockchain, contabilidade, disclosure.

Resumo

O presente estudo investigou a divulgação das operações e eventuais reservas de criptomoedas nas demonstrações contábeis de 2018 das companhias abertas brasileiras listadas na B3, através da análise de conteúdo das notas explicativas de companhias indexadas no índice IBRX100. A pesquisa ampara-se à Teoria do Disclosure Voluntário. Qualifica-se como pesquisa aplicada e descritiva e com procedimentos de levantamento bibliográfico e busca de dados secundários, através da pesquisa documental, dado que as informações compiladas pelo estudo foram extraídas das notas explicativas das companhias brasileiras listadas na B3. A técnica aplicada foi a análise de conteúdo. A pesquisa identificou o amplo uso do real (BRL) como moeda funcional e o dólar norte americano (USD) como a principal moeda estrangeira. O estudo não encontrou a divulgação do uso de criptomoedas ou ainda a existência de ativos registrados em criptomoedas ou ainda a utilização da cadeia validadora denominada blockchain. Este achado corrobora a teoria do disclosure voluntário e contraria os estudos anteriores que apontam para um uso mais amplo das criptomoedas na atividade empresarial formal. Deste modo, o estudo contribui para a literatura de operações com criptomoedas no Brasil e propõe indagações quanto ao uso e a evidenciação das criptomoedas nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras.

Biografia do Autor

Juliano Augusto Orsi Araujo, Universidade Ibirapuera

Professor Titular do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Ibirapuera. Doutor em Contabilidade pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da Universidade de São Paulo (USP). Vencedor do Prêmio Olivio Koliver - Melhor artigo publicado na Revista Brasileira de Contabilidade (2014). Mestre em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Alvares Penteado - FECAP (2012). Especialista em Controladoria Estratégica pela Universidade São Judas Tadeu (2004). Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade São Francisco (2002). Delegado do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo na cidade de Atibaia. Atualmente é titular da Express Contábil EIRELI.

Simone Costa Loia Araujo, Universidade Ibirapuera

Aluna do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Ibirapuera, Brasil

Referências

Araújo, V. H. R., Prado, T. A. R., Araujo, J. A. O. (2020). Bitcoin: an analysis of the accounting and finance research published in international journals. In: Annual Meeting American Accounting Association (AAA-2020), 2020, Atlanta - EUA. Annual Meeting American Accounting Association (AAA-2020).

Baums, T. (2002). Changing patterns of corporate disclosure in continental Europe: The example of Germany. European Corporate Governance Institute (EGCI) – Law Working Paper. Social Science Research Network.

Boff, S. O.; & Ferreira, N. A. (2016) Análise dos benefícios sociais da bitcoin como moeda. Anuário Mexicano de Derecho Internacional, 16, 499-523.

Cernev, A.; Diniz, E.; & Jayo, M. (2009). Emergência da quinta onda de inovação bancária. AMCIS 2009 Proceedings. Disponível em <http://aisel.aisnet.org/amcis2009/4>. Acesso em: 25 ago.2019.

Dye, R. (2001). An evaluation of ‘essays on disclosure’ and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, 32, 181-235.

Dyhberg, A. H.; Foley, S.; & Svec, J. (2018). How investible is bitcoin? Analyzing the liquidity and transaction costs of bitcoin markets. Economics Letters, 171, 140-143.

Guttmann, R. (2016). A transformação do capital financeiro. Economia e Sociedade, [S.I], 5(2), 51-83.

Murcia, F. D.; & Santos, A. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(2), 72-95.

Nakamoto, S. (2008). Bitcoin: Peer-to-Peer Electronic Cash System. Disponível em: <https://bitcoin.org/bitcoin.pdf. Acesso 26 ago. 2019.

Purchio, L. (2017). Como usar a moeda digital Bitcoin. Isto é. Publicação de 26 de fevereiro de 2017. Disponível em: <https://istoe.com.br/349307_COMO+USAR+A+MOEDA+DIGITAL+BITCOIN/>. Acesso em 20 ago. 2019.

Rodríguez, N. A. L.; & Zúñiga, P. A. P. (2018). El Bitcoin como medio de pago en el mercado colombiano. Especialização em Negocios Internacionales. Universitaria Agustiniana, Facultad de Ciencias Económicas y Administrativas, Programa de Negocios Internacionales, Bogotá, Colombia.

Shin, H. (2003). Disclosures and asset return. Econometrica, 71, 105-133.

Tiwari, A. K.; Jana, R.; Das, D.; & Roubaud, D. (2018). Informational efficiency of bitcoin - an extension. Economics Letters, 163, 106-109.

Ulrich, F. (2019). BITCOIN - A moeda na era digital. Disponível em:<http://mises.org.br/files/literature/MisesBrasil_BITCOIN_BROCHURA.pdf>. Acesso em: 23 de agosto de 2019.

Uribe, J. J. G. (2019). El Bitcoin y el riesgo financiero para el turismo em Colombia. In: International Finance Conference (IFC-2019), 2019, Cordoba - ARG. Anais do International Finance Conference (IFC-2019).

Urquhart, A. (2018). What causes the attention of bitcoin?. Economics Letters, 166, 40-44.

Verrecchia, R. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 22, 97-180.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Araujo, J. A. O., & Araujo, S. C. L. (2021). Criptomoedas: tendência ou realidade? Evidências a partir das demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. REVISTA ENIAC PESQUISA, 10(2), 241–254. https://doi.org/10.22567/rep.v10i2.788

Edição

Seção

Artigos