O papel das instituições sociais ante o desafio de inovar os processos de gestão territorial: uma análise comparativa entre o Grande ABC Paulista e os municípios do Eixo Dutra.

Wiliam Retamiro

Resumo


O presente trabalho objetiva debater o papel das instituições sociais universais como ferramenta essencial para transformar uma sociedade por meio de uma nova visão econômica. Desenvolvido por uma metodologia bibliográfica e documental, este artigo tece uma análise de como as instituições sociais, sendo o Estado, a economia e universidade podem interferir na realidade socioeconômica de um território, outrora imutável quanto a sua realidade para uma nova perspectiva de mutação promissora. Dialoga-se acerca do desenvolvimento por intermédio da libertação intelectual promovida pelo acesso ao conhecimento. Verifica-se então, que as instituições sociais universais atuam aquém desta perspectiva. Utilizando da comparação entre as regiões do Grande ABC e do Eixo Dutra, questiona-se, então, a possibilidade do indivíduo se conscientizar de sua condição atual, com uma visão crítica acerca de uma situação desfavorável para a possibilidade de mutação por meio do entendimento com a elucidação do entender econômico, proporcionando a inovação de projetos de governança territorial.


Palavras-chave


1. Desenvolvimento Regional; 2. Instituições Sociais, 3. Governança Territorial; 4. Planejamento Territorial

Texto completo:

PDF

Referências


AGENCIA DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO DO GRANDE ABC. Por dentro do Grande ABC. Santo André. 2014. Disponível em http://www.agenciagabc.com.br/ grandeabc0709br/grande-abc/index.php?id=14, acessado em 24 jul. 2014.

BRASIL. Lei complementar nº 14, de 8 de junho de 1973. Estabelece as regiões metropolitanas de São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, Curitiba, Belém e Fortaleza. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/Lcp14.htm Extraído em 07 de jul. 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Extraído em 07 de jul. 2014.

CANO, W. Introdução à economia: uma abordagem crítica. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

FURTADO, C. Prefácio a nova economia política. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1977.

___________. Criatividade e dependência na civilização industrial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

GARSON, S. Regiões Metropolitanas: por que não cooperam?. Rio de Janeiro. Ed. Letra Capital. 2009.

GOMES, D.F.S., SILVA.G. Concepção Popular da Função do Gestor Público. In Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação. Palmas. Tocantins. 2012.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: .

KLINK, J. Por que as regiões metropolitanas continuam tão ingovernáveis? Problematizando a reestruturação e o reescalonamento do estado social-desenvolvimentista em espaços metropolitanos. In: Território metropolitano, políticas municipais : por soluções conjuntas de problemas urbanos no âmbito metropolitano / editores: Bernardo Alves Furtado, Cleandro Krause, Karla Christina Batista de França.- Brasília : Ipea, 2013.

LAGO, L.C. do. O que há de novo na clássica dualidade núcleo-periferia: a metrópole do Rio de Janeiro. In: RIBEIRO, L.C. de Q. (Org.). O futuro das metrópoles: desigualdades e governabilidade. Rio de Janeiro: Revan, Fase, 2000. p. 207-228.

LUZ, M. S. MINARI, G.M. SANTOS, I.C. Aglomerações industriais no setor aeroespacial e automobilístico no Vale do Paraíba: uma comparação de trajetórias de formação. Journal of Aerospace Technology and Management. Vol. 2, n. 1, Jan-Apr. 2010. Pág. 71-82. Disponível em:

Acessado em 07 de dezembro de 2011.

MARICATO, Erminia. Metrópoles desgovernadas. Estudos Avançados. Estud. av. vol.25 no.71 São Paulo Jan./Apr. 2011. Extraído de:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010340142011000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt em 14 de julho de 2014.

OLIVEIRA, M.E. A economia e o comportamento humano. O Economista. Março 2010. Disponível em: http://www.oeconomista.com.br/a-economia-e-o-comportamento-humano/. Acesso em: 28 de dezembro de 2011.

SEADE. Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo. 1998-2013. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/piesp/view/index.php. Acessado em 14 jul. 2014.

RETAMIRO, W., RICCI, F. Estratégia desenvolvimentista no Vale do Paraíba: incubadora de empresas de Jacareí. XIII Mostra de Pós-graduação. INCLUSÃO VERDE: Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável. 16 a 20 de outubro de 2012.

RETAMIRO, W. Empreendimentos econômicos solidários e o desenvolvimento regional. 2013. 114 f. Mestrado (Planejamento e Desenvolvimento Regional). Universidade de Taubaté. Taubaté. 2013.

RICCI, F. Indústria têxtil na periferia: origens e desenvolvimento – o caso do Vale do Paraíba. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2006.

SAVIANI, D. Ensino público e algumas falas sobre universidade. São Paulo. Cortez: Autores Associados, 1987.

VIEIRA, E.T. 2009. Industrialização e políticas de desenvolvimento regional: o Vale do Paraíba Paulista na segunda metade do século XX. 2009. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo. Brasil. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.22567/rep.v4i2.228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 REVISTA ENIAC PESQUISA

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.

Translator

English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

 

 Estatística de Acesso a REP

Map

Licença Creative Commons

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional