RUÍDOS DENTRO DA UTI NEONATAL: EFEITOS DELETÉRIOS PARA O RECÉM-NASCIDO PREMATURO

Luzcena Barros

Resumo


A poluição sonora é uma grande preocupação mundial e está presente em todos os lugares, até mesmo nos hospitais. Os níveis elevados de pressão sonora podem causar danos nos pacientes e dificultar seus processos de recuperação. Embora a integração de novas tecnologias para o cuidado dos recém-nascidos tenha contribuído muito para a sobrevivência de bebês prematuros, por outro lado, transformou as unidades neonatais em ambientes muito ruidosos. Objetivo: conhecer os efeitos deletérios para o recém-nascido prematuro provocados pelos ruídos dentro da UTI neonatal. Metodologia: pesquisa bibliográfica, com abordagem qualitativa. Resultados: Os ruídos nas UTINs ultrapassam os níveis recomendados pelas normas de instituições nacionais e internacionais; os profissionais que atuam nessas unidades concordam que contribuem para que esses níveis sejam elevados. Foram identificadas as fontes geradoras de ruído, bem como os efeitos deletérios aos RNs, principalmente aos RNPT. Conclusão: A necessidade de implementação de programas educativos, troca e manutenção de equipamentos e ainda, mudança na estrutura física da unidade como estratégia para a redução de ruído.


Palavras-chave


Unidade de terapia intensiva neonatal; Ruídos; Recém-nascido prematuro; Enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. M. A. et al. Cuidados para o recém-nascido enfermo. In: FIGUEIREDO, N. M. A. (org). Ensinando a cuidar da mulher, do homem e do recém-nascido. 4ª ed. São Paulo: Difusão enfermagem, cap.10. p.381-412; 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10152: Níveis de ruídos para conforto acústico. Rio de Janeiro; dez. 1987. Disponível em: . Acesso em 28 mai 2018.

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Committee on environmental healt. Noise: a hazard for the fetus and newborn. Pediatrics. 100(4): 724-27, 1997.

AURÉLIO, F.S. Ruído em Unidade de Terapia Intensiva neonatal (Dissertação Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, RS; 2009.

AURÉLIO, F.S.; TOCHETTO, T. M. Ruído em uma unidade de terapia intensiva neonatal: Mensuração e percepção dos profissionais e pais. Rev. paul. pediatr. 2(28), June 2010. Disponível em: . Acesso em 28 mai 2018.

AZEVEDO, M. Triagem auditiva neonatal. In: FERREIRA, L. P.; BELFI-LOPES, D.M.; 2004.

BRAGA, B. et al. Introdução à Engenharia ambiental. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

BRASIL Ministério da Saúde. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso – Método Canguru. Brasília. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção da Triagem Auditiva Neonatal / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas e Departamento de Atenção Especializada. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012. 32 p. : il. Disponível em: https://docs.google.com/document/d/1FJ85PBi29BP316TFODTH9b46_xH6iYxHqvhx0KVLhPw/edit#heading=h.49x2ik5. Acesso em 28/05/2018.

BUSNEL, M.C. A sensorialidade fetal e suas consequências. São Paulo: ABREP, 1997.

CARDOSO, M.V.L.M.; CHAVES, E.M.C.; BEZERRA, M.G.A. Ruídos e barulhos na unidade neonatal. Rev. Bras. Enferm: Brasília, jul- Ago; v.63 n.4, p561-66, 2010.

CRUVINEL, F.G.; PAULETTI, C.M. Formas de atendimento humanizado ao recém-nascido pré-termo ou de baixo peso na unidade de terapia intensiva neonatal: uma revisão. Caderno de Pós-graduação em Distúrbio do Desenvolvimento, v. 9, n.1, p.102-125, 2009.

DANIELI et al. Reduzindo o nível de pressão sonora da unidade de terapia intensiva neonatal: estratégias adotadas pelos profissionais de saúde. Rev. Min. Enfem.; 15 (2): 190-195, abr./jun., 2011. Disponível em: www.reme.org.br/artigo/detalhes/24 Acesso em 28 mai 2018.

FILUS, W.A. et al. Ruído e seus impactos nos hospitais brasileiros: uma revisão de literatura. Rev. CEFAC 1(16), São Paulo. Jan/Feb. 2014. Disponível em: . Acesso em 25 mai 2018.

FONSECA, M.E.P. Influência del ruído em los signos vitales del recién-nascido prematuro.1986. 100f. Dissertação (Mestrado). Pontifícia Universidad Javeriana, Bogotá, 1986.

GLASS, P. O recém-nascido vulnerável e o ambiente na unidade de tratamento intensivo neonatal. In: AVERY, G.B.; FLETCHER, M.A.; MACDONALD, M.G. Neonatologia: fisiopatologia e tratamento do recém-nascido. 4.ed. Belo Horizonte, Medsi, Cap.8, p.79-96. 1999.

ICHISATO, S.M.T.; SCOCHI, C.G.S. Ruídos na unidade de cuidado intensivo neonatal durante as passagens de plantão (enfermagem e/ou médica) e visita médica. Rev. Ciência, Cuidado e Saúde, v.5, supl, p.127-33. Maringá, 2006.

JOINT COMMITTEE ON INFANT HEARING (JCIH). Position Statement: Principles and Guidelines for Early Hearing Detection and Intervention Programs. Pediatrics, v 120, n.4, 2007.

LEFRAK-OKIKAWA, L.; LUND C.H. Prática de enfermagem na Unidade de Tratamento Intensivo neonatal. In: Klaus MH, Fanaroff AA. Alto risco em neonatologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 156-67; 1995.

LIMA, L. M.; GOUVEIA, J. A. Causadores de Ruídos na UTI-neonatal na percepção da equipe de enfermagem. 2009. Trabalho apresentado ao 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem, Fortaleza, 2009.

LONG, J.C.; LUCEY, J.F.; PHILIP, A.G.S. Noise and hypoxemia in the intensive care nursey. Pediatrics, Evanston, v.65, p.143-45, jan.1980.

LOTAS, M.J. Effects of light and sound in the neonatal intensive care unit environment on the low-birth-weight infant. Naacog’s Clinical Issues in Perinatal and Women’s Healt Nursing, Philadelphia, v.3, n.1, p.34-44, 1992.

MANZINI, P.J.C. Nivel de pressão sonora em unidade de terapia intensiva pediátrica de Brasília-DF. Trabalho de Conclusão de curso, Brasília-DF, 2015.

MARRESE, A.M. El ambiente de la UCI neonatal y su influência en el desarrollo del prematuro: un desafío para enfermería. Medicina Perinatal y neonatal. Centro de Investigaciones Perinatales. Universidad de Chile, jul-ago; 1 (1):15-21.1996.

MEYERHOF, P. Qualidade de vida: estudo de uma intervenção em unidade de terapia neonatal de recém-nascidos pré-termo.1996. 208p.Tese (Doutorado) - Instituto de Psicologia, Universidade de são Paulo, São Paulo, 1996.

MICHALSKI, R.L.X.N. dB, pressão, potência e intensidade (aula),(sem data). Disponível em: . Acesso em 10 abr. 2018.

MOREIRA M.; BRAGA, N.A.; MORSCH, D.S. Quando a vida começa diferente: o bebê e sua família na UTI neonatal. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz;2003.

NEPOMUCENO, L. Elementos de acústica física e psicoacústica. São Paulo: Edgar Blucher, 1994.

NOGUEIRA, M.F.H. Mensuração de ruído em unidades neonatais e incubadoras com recém-nascidos. Rio de Janeiro: UERJ, 2011.

OLIVEIRA, P. F.; FRANÇA, D.C.; MOR, R. O nível de ruído nas unidade de terapia intensiva neonatal e seus efeitos. Rev. CEFAC. 5 (4): 367-72. 2003.

OLIVEIRA, P.F.; FRANÇA, D.C.; MOR, R. O nível de ruído na unidade em hospital de 222 leitos na 18ª Regional de Saúde – PR. Rev. Bras Otorrinolangol., v.73, n.2, p.245-250, mar-abr.2007.

OLIVEIRA, I.C.S. O advento das incubadoras e os cuidados de enfermagem aos prematuros na primeira metade do século XX. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 13, n. 3, Sept. 2004.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Nota descripitiva de la Organización Mundial de la Salud, Centro de prensa, nov. 2016. Disponível em: . Acesso em 02 mar 2018.

PARRADO, M.E.S.; COSTA F., ALVES, O. O berçário de alto risco e o ruído das incubadoras. Pró-Fono Rev.de Atualização Científica, 4 (1):31-4. 1992.

PEIXOTO, P.V et al. Nível de pressão sonora em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev. Esc. Enferm. USP vol. 45, nº6, São Paulo, Dec. 2011.

RODARTE, M. Ruído em incubadora traz risco para a audição de recém-nascidos. Notícias do Portal do Governo de São Paulo, out.2007.

ROLIM, K.M.C. et al. Cuidados quanto à termorregulação do recém-nascido prematuro: o olhar da enfermeira. Rev. Rene. Fortaleza, v.11, n.2, p.44-52, 2010. Disponível em http://www.revistarene.ufc.br/vol11n2_html_site/a05v11n2htm Acesso em 06 abr 2018.

RUGOLLO, L.S.S. Manual de neonatologia. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

SANTOS, U.; MATOS, M. Aspectos da física. In: Santos, U. Ruído: riscos e prevenção. São Paulo: Hucitec,1996.

SARAIVA, C.A.S. Fatores físicos-ambientais e organizacionais em uma unidade de terapia intensiva neonatal: implicações para a saúde do recém-nascido (Dissertação mestrado profissionalizante), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

SCOCHI, C.G.S et all. O cuidado individualizado ao pequeno prematuro: o ambiente sensorial em uma unidade de terapia intensiva neonatal, Acta Paul enfermagem; v.1, n.14, p.9-16, jan-abr.2001.

SHAFER, R.M. A afinação do mundo: uma explanação pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora, São Paulo: Ed. UNESP; 2001.

S.P. Notícias. Portal do Governo do Estado de São Paulo, outubro de 2007. Disponível em . Acesso em 27 abr. 2018.

TAMEZ, R.N. impacto do ambiente da UTI Neonatal no desenvolvimento neuromotor. In: ______. Enfermagem na UTI Neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. 5ª ed. Rio de Janeiro. Ed: Guanabara Koogan, 2013.

TAMEZ, R.N, SILVA, M.J.P. Impacto do ambiente da UTI neonatal no desenvolvimento neuromotor. In: Tamez RN, Silva MJP. Enfermagem na UTI neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2006.

TSUNEMI, M.H.; KAKEHASHI, T.Y.; PINHEIRO, E.M. O ruído da unidade de terapia intensiva neonatal após a implementação de programa educativo. Texto Contexto Enferm. Florianópolis, Out-Dez; 21 (4): 775-82; 2012.

WEICH, T. M.et al. Eficácia de um programa para redução de ruído em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev. Bras Ter Intensiva, 23 (3): 327-334. 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION, GENEVA. Guidelines for Community Noise. London.1999. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/66217/1/a68672.pdf Acesso em 20 mai 2018.

ZAHR, L.K.; BALIAN, S. Responses of premature infants to routine nursing interventions and noise in the NICU. Nursing Research, New York, v.44, n. 3, p.179-85, May/June 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.