A RELEVÂNCIA DO LÚDICO E DA ORALIDADE NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS

Lilian Fernandes Carneiro, Lilian Fernandes Carneiro, Joice Aparecida de Souza Pinto

Resumo


Esta pesquisa investiga a possibilidade de utilizar a ludicidade na narração de histórias para o ensino-aprendizagem da Língua Inglesa para crianças de 6 a 9 anos. Neste estudo, optou-se por utilizar a abordagem comunicativa que pertence ao Método Construtivista, bem como justificativa teórica, a partir da leitura de bibliografia especializada. Deste estudo resulta a percepção de que a narração de histórias possibilita acesso a vocabulário de forma criativa, de maneira que incentiva a percepção da oralidade, mediante a compreensão de significado, por meio da contextualização, instigando o protagonismo lúdico; além disso, aos participantes é garantida interação social. Conclui-se que com este trabalho é possível a abertura de novos processos culturais, no que tange ao propósito de formar a criança como cidadão atuante no ambiente em que vive.

Palavras-chave


Lúdico; Oralidade; Aprendizagem; Narração de histórias; Interação Social

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Ana Gabriela Simões (org.). Leitura: o mundo além das palavras. Curitiba: Instituto RPC, 2010.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua inglesa - Brasília: MEC/SEF, 1998.

CHOMSKY, Noam. Sobre a Natureza da Linguagem. Trad. Marylene Pinto Michael. Martins Fontes: São Paulo, 2006.

COELHO, Beth. Contar histórias: uma arte sem idade. SP: Ática, 2001.

COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil/juvenil: das origens indoeuropeias ao Brasil contemporâneo. 4.ed. SP: Ática, 1991.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

EDGE, J. Mistakes and Correction. London: Longman, 1989. 70p., fonte:

As Concepções de Erros no Ensino de Línguas – Profª Sônia Maria Simões, UNESP – Franca S.P.:1976, PUC - MINAS: disponível em: Acesso em: 26 mar.2017

FERREIRA, Aurora. Contar histórias com arte e ensinar brincando: para a educação infantil e series iniciais do ensino fundamental. Rio: WAK, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio: Paz e Terra, 1970 (Coleção Leitura)

GARDNER. Howard. Psicologia y Mente traduzido e adaptado por Psiconlinews

Teoria das inteligências múltiplas de Gardner – Disponível em: Acesso em: 02 fev.2017

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4.ed. São Paulo: Perspectiva, 1999, p.7

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. Perspectiva, Florianópolis: v. 12, n. 22, p. 105-128, jan. 1994. ISSN 2175-795X. Disponível em:. Acesso em: 10 dez.2017. Doi:https://doi.org/10.5007/%x.

KRASHEN, Stephen D. Principles and Practice in Second Language Acquisition. USA: Prentice Hall International, 1987

KUMARAVADIVELU, B. Understanding language teaching: from method to postmethod. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2006.

LAUAND, Luiz Jean. Educação, contar histórias e artes orientais. Collatio 11, abr-jan 2012. CEMOrOc-Feusp / IJI – Universidade do Porto. Disponível em: Acesso em: 04 mar.2018.

LAUAND, Luiz Jean. O que é uma Universidade? São Paulo: Perspectiva, 1987.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. SP: Cortez, 2005.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Ensinar, Brincar e Aprender. Disponível em: Acesso em: 26 dez.2017.

MIGUEZ, Fátima. Nas arte-manhas do imaginário infantil. 14.ed. Rio de Janeiro: Zeus, 2000.

MOREIRA, M.R.S. O universo emocional da criança e os textos usados para alfabetizar – uma proposta de alteração. In SCOZ, F.J.L.; RUBINSTEIN, E.; ROSSA, E.M.M.; BARONE, L.M.C. Psicopedagogia: o caráter interdisciplinar na formação e atuação profissional. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, 1987, p.217-223

OLIVEIRA, Luciano Amaral, 1964- Métodos de ensino de inglês: teorias, práticas, ideologias. São Paulo: Parábola, 2014.

PENNAC, Daniel. Como um romance. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

Piaget, J. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1976.

PIAGET, Jean. Six Étuds de Psychologie. (Seis Estudos em Psicologia). Tradução de D’AMORIME Maria Alice Magalhães; SILVA, Paulo Sérgio Lima. Rio de Janeiro: Forense Universitária. LTDA, 1973. Rev. Fac. Educ. vol.24 n.2 São Paulo: July/Dec.1998. Disponível em: Acesso em: 02 fev.2017.

PIETRO, H. Quer ouvir uma história: Lendas e mitos no mundo da criança. São Paulo: Angra, 1999. Col. Jovem Século XXI.

PINTO, Joice Aparecida de Souza. Narrativas e “Pedagogia da Admiração”: Desafios com novas tecnologias. UMESP, São Paulo: 2016. Disponível em: Acesso em: 18 mar.2018.

QUINTÁS, A. K. A Formação Adequada à Configuração de um Novo Humanismo. (Conferência do Dr. Alfonso Lopes Quintás na FEUSP, em 26-11-99. Tradução de Ana Lúcia Carvalhi Fujikua. Edição Jean Lauand. In. Filosofia e Educação – textos e notas. São Paulo/Porto: Notandum Libro, n.16, p.1-66, 2012.

SCHÜTZ, R. S&k - uma abordagem natural ao ensino de línguas: inglês sob a inspiração de Piaget, Vygotsky, Chomsky e Krashen. English Made in Brazil. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2017.

SILVA, M.B.C. Contar histórias uma arte sem idade. 7.ed. SP: Ática, 2009

TAHAN, Malba. A Arte de Ler e Contar Histórias. Rio de Janeiro: Conquista, 1964.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VYGOTSKY, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo:

Martins Fontes, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.