Análise da adesão à terapia antineoplásica oral de pacientes atendidos na Farmácia de Quimioterapia de um hospital público de Mato Grosso do Sul

Karen Carla Brito Pereira

Resumo


Introdução: O câncer de mama é a maior causa de morte por neoplasia no gênero feminino. A terapia hormonal adjuvante é um importante aliado no tratamento do câncer de mama porque melhora a sobrevida e diminui a recorrência da neoplasia. O Tamoxifeno tem sido amplamente utilizado em pacientes com neoplasia de mama que apresentam receptor de estrógeno (RE) positivo por um prazo de até 5 anos. A aceitação do paciente ao tratamento é um importante componente da atenção farmacêutica. Objetivo: Esta pesquisa tem por objetivo analisar a adesão à terapia antineoplásica oral de pacientes atendidos na farmácia de quimioterapia do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul. Método: Trata-se de um estudo observacional descritivo retrospectivo de julho a dezembro de 2016, realizado com pacientes maiores de 18 anos (n=95) em uso de hormonioterapia com Tamoxifeno. Resultados: Observou-se que a maioria dos pacientes estava na faixa etária de 42-60 anos, solteiros, brancos e procedentes de Campo Grande. No estudo, 30,5% dos pacientes deixaram de retirar a medicação em algum dos meses avaliados. Conclusão: A participação do farmacêutico junto à equipe multidisciplinar e ao paciente é essencial no manejo dos efeitos colaterais, reações adversas e promoção da adesão.

 


Palavras-chave


Adesão à medicação; Modulador Seletivo dos Receptores de Estrógeno; Neoplasia da Mama; Atenção Farmacêutica.

Texto completo:

PDF

Referências


BINKHORST L, MATHIJSSEN J.H.R, VAN HERK-SUKEL MPP, et al. Unjustified prescribing of CYP2D6 inhibiting SSRIs in women treated with tamoxifen.Breast cancer res treat, 2013, 139:923–929

BRASIL. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Resolução Normativa RN N° 349 de 9 de maio de 2014. Regulamenta o tratamento antineoplásico de uso oral.

BRASIL. LEI Nº 11.664, DE 29 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre a efetivação de ações de saúde que assegurem a prevenção, a detecção, o tratamento e o seguimento dos cânceres do colo uterino e de mama, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Falando sobre câncer de mama. Rio de Janeiro: INCA; 2002.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS. Diretrizes para o fortalecimento das ações de adesão ao tratamento para pessoas que vivem com HIV e AIDS, 2007.

BRASIL. Portaria nº 1.008, de 30 de setembro de 2015. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Carcinoma de Mama.

BRASIL. PORTARIA Nº 3.916, DE 30 DE OUTUBRO DE 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 338, DE 06 DE MAIO DE 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica.

BRASIL.Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência Farmacêutica no SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília : CONASS, 2007.

BRITO, C.; PORTELA, M.C. VASCONCELLOS, M.T.L. Fatores associados à persistência à terapiahormonal em mulheres comcâncer de mama. Rev. Saúde Pública 2014;48(2):284-295.

BUJA A, LAGO L, LAGO S, VINELLI A, ZANARDO C, BALDO V. Marital status and stage of cancer at diagnosis: A systematic review. European journal of cancer care, 2017.

CASTRO, E.K.K., LAWRENZ, P.; ROMEIRO, F.; LIMA, N.T. Percepção da doença e enfrentamento em mulheres com câncer de mama. Psicologia: Teoria e Pesquisa Jul-Set 2016, Vol. 32 n. 3, pp. 1-6

CAVA, P. K. P. Importância da adesão ao tratamento com quimioterápicos de uso oral: contribuições do farmacêutico SOBRAFONews, Maio - Junho , 2016.

CHABNER, B. A. et al. Manual de Oncologia de Harrison.2°edição. Porto Alegre: AMGH, 2015. Pag.133.

Consenso brasileiro de atenção farmacêutica: proposta / Adriana Mitsue Ivama [et al.] Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2002. 24 p.

DUGNO, M.L.G.; SOLDATELLI, J.S.; DALTOÉ, T.; ROSADO, J.O.; SPADA, P.; FORMOLO, F. Perfil do câncer de mama e relação entre fatores de risco e estadiamento clínico em hospital do sul do Brasil. Revista Brasileira de Oncologia Clínica. Vol.10. junho,2014.

FELIX, L.M.C.; AOKI, T.; LIMA, S.M.R.R. Tratamento das ondas de calor em mulheres com câncer de mama. FEMINA, Maio 2010. vol 38 nº 5.

Guide to cancer early diagnosis. Geneva: World Health Organization; 2017.

HEPPLER, C.D.; STRAND, L.M. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. American Journal Hospital Pharmacy. Vol.47. Março de 1990.

HERNANDEZ, D.S., CASTRO, M.M.S., DÁDER, M.J.F. Método Dáder. Manual de Seguimento Farmacoterapêutico, 2009.

HICKEY M, SAUNDERS CM, STUCKEY BG. Management of menopausal symptoms in patients with breast cancer: an evidence-based approach. Lancet Oncol. 2005;6(9):687-95.

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). ABC do câncer : abordagens básicas para o controle do câncer / Instituto Nacional de Câncer. – Rio de Janeiro : Inca, 2011. 128 p. : il. ISBN 978-85.

INSTITUTO NACIONAL do CÂNCER. Sintomas do câncer de mama. Disponível:http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/mama/sintomas. Acesso em: dezembro de 2017.

INUMANU, L.E. SILVEIRA, E.A. NAVES, M.M.V. Fatores de risco e de proteção para câncer de mama: uma revisão sistemática. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 27(7):1259-1270, jul, 2011.

LAGARES, E.B.; SANTOS, K.F.; MENDES, R.C; MOREIRA, F.A.; ANASTÁCIO, L.R. Excesso de Peso em Mulheres com Diagnóstico de Câncer de Mama em Hormonioterapia com Tamoxifeno Revista Brasileira de Cancerologia 2013; 59(2): 201-210.

LANNIN, DR. Influence of socioeconomic and cultural factors on radical differences in late-stage of breast cancer. JAMA, 1998.

LEITE, F.M.C.; AMORIM, M.H.C.; CASTRO, D.S.; PRIMO, C.C. Mulheres com diagnóstico de câncer de mama em tratamento com Tamxifeno: perfil sociodemográfico e clínico. Revista Brasileira de Cancerologia, 2011.

LIVINALLI, A., FONSECA, C. L.; COUTO, D.H.N.; BORELLA, M.L.L.; TORRIANI, M. S. FALCARI, A. O. Manual de farmácia oncológica: quimioterápicos orais. 2ª edição. São Paulo, PlanMark,2016.

OLIVEIRA, R.S., MENEZES J.T.L., GONÇALVES, M.G.L. Adesão à Terapia Hormonal Adjuvante Oral em Pacientes com Câncer de Mama. Revista Brasileira de Cancerologia 2012; 58(4): 593-601.

PARTRIDGE, H.A., AVORN, J. WANG, P.S., WINER E.E. Adherence to Therapy With Oral Antineoplastic Agents. Journal of the National Cancer Institute, Vol. 94, No. 9, May 1, 2002.

RÊGO, IL.K.P.; NERY, I.S. Acesso e adesão ao tratamento de mulheres com câncer de mama assistidas em um hospital de oncologia. Revista de Cancerologia, 2013.

SOUZA, B.F.,MORAES, J.A., INOCENTI, A., SANTOS, M.A., SILVA, A.E.B.C. MIASSO, A.I. Mulheres com câncer de mama em uso de quimioterápicos: sintomas depressivos e adesão ao tratamento. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Artigo Original set.-out. 2014;22(5):866-73.

STEWART B. W. and KLEIHUES P. (Eds): World Cancer Report. IARC Press.Lyon 2003.

STEWART B.W. and WILD, C.P. World Cancer Report. IARC Press. Lyon 2014.

TOKDEMIR G., KAV, S. The effect of structured education to patients receiving oral agents for cancer treatment on medication adherence and self-efficacy. Asia Pacific Journal Oncology Nursing. 2017 Oct-Dec; 4(4): 290–298.

VELOSO, R.S.; MANAÇAS, L.R.A.; SOARES, F.C.; FIGUEIRA, P.H.M. Análise da adesão à terapia antineoplásica oral de pacientes atendidos na farmácia ambulatorial do hospital do câncer II do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. INCA, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.