Transitando pelos transistores: a emergência da SulAmérica Trânsito nos rádios paulistanos

Autores

  • Bruno César dos Santos ENIAC

Palavras-chave:

programação, jornalismo, comunicação

Resumo

De forma ligeira e esboçada, este trabalho busca tentar traçar alguns dos caminhos percorridos pela Radio SulAmérica Trânsito, localizada na cidade de São Paulo. Em apenas dois anos, a emissora praticamente dobrou a quantidade de ouvintes por minuto, consolidando as práticas e imaginários relacionados ao rádio, veículo de comunicação considerado por muitos como veloz, prestativo e colaborativo (empregamos aqui os dois sentidos da palavra). A partir deste cenário, decidiu-se observar a grade de programação, como também os recursos jornalísticos utilizados para construir sentidos e divulgar notícias, na possibilidade em compreender este fenômeno, tanto da quantidade de ouvintes, como também a circulação dos sentidos, via ondas radiofônicas.

Referências

BATESON, Gregory. Steeps. To an ecology of mind. São Francisco: Chandler ed., 1972.

_____. La nouvelle communication. Paris: Seuil, 1988.

CONTRERA, Malena Segura. Mídia e pânico. São Paulo: Annablume, 2002.

_____, GUIMARÃES, L., PELEGRINI, M., SILVA, M. R. O espírito do nosso tempo. São Paulo, Ed. Annablume. 2004.

ELIADE, M. Images et symboles. Paris: Gallimard, 1980.

__________. Images et Symboles.París: Gallimard, 1980.

ELIAS, Norbert. O Processo civilizador. Vol I. Uma história dos costumes apresentação Renato J. Ribeiro. São Paulo: Ed. Jorge Zahar, 2000.

GASSET, José Ortega y. A rebelião das massas; tradução Marylene Pinto Michael, 2a. ed., São Paulo: Martins Fontes. (Título original: La rebelión de Las masas, 1a. ed. 1937, ed. Espasa-Calpe. Argentina, Buenos Aires), 2002.

GEBAUER, Günter & WULF, Christoph. Acessos miméticos ao mundo. Agir social, rituais e jogos e produções estéticas. São Paulo: Annablume, 2004.

HALL, EDWARD T. A dança da vida. A outra dimensão do tempo. Portugal, Lisboa: Relógio D’Água, 1996.

_____. A linguagem silenciosa. Portugal, Lisboa: Relógio D’Água, 1998.

HLADE A. P. Instituto Brasileiro de Direito de Família - IBDFAM. Disponível em http:// www.advocaciaconsultoria.com.br>.Acesso em 03 ago. 2005.

HILLMAN, James. Encarando os deuses. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.

_____. Paranóia. Petrópolis: Vozes, 1993.

KAMPER, D. Wulf, C. Looking back on the end of the world. Nova York: Columbia University, 1989.

KAMPER, DIETMAR. A estrutura temporal das imagens. São Paulo: Revista Ghrebh 2002.

_____. O Trabalho Como Vida. São Paulo: Annablume, 1998.

_____. Loucura. Texto. Tradução de Maurício Andrade, www.cisc.org.br. COSPUCP, 2003.

complexidade. Porto Alegre, Sulina, 1997.

MARCONDES FILHO, C. A produção social da loucura, São Paulo: ed. Paulus, 2003.

_____. Quem manipula quem? 2. ed. Petrópolis: RJ. Vozes, 1987.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. 8a. ed. São Paulo: Cultrix, 1979.

PROSS, H. Sociedade do protesto, São Paulo: Annablume, 1997.

_____. Estructura simbólica del poder. Barcelona: Gustavo GILI, 1980.

PROSS, H. & ROMANO, V. Atrapados em la rede de los medios. Orientación Em La

diversidad. Hondarribia: Argitaletxe Hiru, 1999.

PINTO, Álvaro Vieira. O conceito de Tecnologia. Vol. 1. 2005, p. 444.

QUEVEDO, M. Introdução aos Sistemas Internacionais de Comunicação. D/M PUCSP, 2004.

ROMANO, Vicente. Desarrollo y Progreso: por una ecología de la comunicación. Barcelona: Editorial Teide, 1993.

_____. Tiempo y espacio en la comunicación. Hondarribia: Argitaletxe Hiru, 1999.

SERRES, Michel. A lenda dos anjos. São Paulo: Aleph, 1995.

_____. Os cinco sentidos: filosofia dos corpos misturados. Rio de Janeiro: B. Brasil, 2001.

SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994:13.

SODRÉ, M. Antropológica do espelho: Uma teoria da comunicação linear em rede. Petrópolis: Vozes. 2002.

WINKIN, Yves. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas: Papiros, (Org. Etienne Samain), 1998.

Downloads

Publicado

31-12-2010

Edição

Seção

Artigos - INICIAÇÃO CIENTÍFICA