A gamificação e a motivação dos alunos: considerações sobre técnicas efetivamente aplicadas na educação profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22567/rep.v10i1.767

Palavras-chave:

Impacto, Educação Profissional, Aplicação, Metodologias Ativas

Resumo

Com o crescente interesse das instituições de ensino pelas metodologias ativas, a estratégia da gamificação se difunde cada vez mais. Considerando que um dos mais relevantes problemas que a educação enfrenta atualmente é a falta de motivação dos alunos, é tentador examinar se a gamificação é capaz de impactar assertivamente na motivação. Desta forma, a pesquisa objetiva realizar a revisão sistemática da literatura em fontes e artigos selecionados possibilitando a análise dos impactos da gamificação, analisando por meio de palavras e significados os resumos, introduções, análises e discussões e considerações finais. Os resultados apontam que a gamificação desperta maior interesse e motivação nos alunos. Entretanto, as amostras de estudos empíricos realizados sobre gamificação ainda se apresentam restritas, por isso se tornam passíveis de conter imperfeições metodológicas e de aplicação.

Biografia do Autor

Prof. Dr. Carlos Vital Giordano, Centro Paula Souza, São Paulo.

Professor Doutor do programa de mestrado em Educação do Centro Paula Souza, São Paulo.

Referências

Bacich, L., & Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso.

Berbel, N. (2011). As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 32(1). doi 10.5433/1679-0383.2011v32n1p25

Bzuneck, J. (2010). Como motivar os alunos: sugestões práticas. In: E. Boruchovitch & J. A. Bzuneck (Orgs.), Motivação para aprender. Petrópolis: Vozes.

Bzuneck, J. (2009). A motivação do aluno: Aspectos introdutórios. In: E. Boruchovitch & J. A. Bzuneck (Orgs.), A Motivação do Aluno. Contribuições da Psicologia Contemporânea. Petrópolis: Vozes.

Campos, D. (1987). Psicologia da Aprendizagem. Petrópolis: Vozes.

Deterding, S., & Bredow, H. (2011). Situated motivational affordances of game elements: A conceptual model. Workshop on gamification. Recuperado de http://gamification-research.org/wp-content/uploads/2011/04/09-Deterding.pdf

Fragelli, T. (2018). Gamificação como um processo de mudança no estilo de ensino aprendizagem no ensino superior: um relato de experiência. Revista Internacional de Educação Superior, 4(1). doi 10.22348/riesup.v4i1.8650843

Garcia, A. (2015). Gamificação como prática pedagógica docente no processo ensino e aprendizagem na temática da inclusão social. Dissertação - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina.

Gee, J. (2003). What Video Games Have to Teach Us About Learning and Literacy. New York: Palgrave/Macmillan.

Gomes, H., & Marins, H. (2004). A ação docente na educação profissional. São Paulo: Senac.

Hanus, M., & Fox, J. (2015). Assessing the effects of gamification in the classroom. Computers & Education, 80, 152-161. doi 10.1016/j.compedu.2014.08.019

Huertas, J. (2001). Motivación – querer aprender. Buenos Aires: Aique.

Huotari, K., & Hamari, J. (2012). Defining Gamification: a Service Marketing Perspective. Proceeding of the 16th International Academic MindTrek Conference, 17-22. doi 10.1145/2393132.2393137

Lieberoth, A. (2015). Shallow Gamification: Testing Psychological Effects of Framing an Activity as a Game. Games and Culture, 10(3), 229–248. https://doi.org/10.1177/1555412014559978

Magalhães, S., & Cavalcante, P. (2011). Tecnologias e Educação Profissional: O que dizem os alunos de uma Fábrica de Games? RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, 9(2). doi 10.22456/1679-1916.25125

Martin, J. (2018). Uso da gamificação no ensino de marketing. Brazilian Applied Science Review, 2(2). Recuperado de https://www.brazilianjournals.com/index.php/BASR/article/view/444

Matos, J., & Matos, F. (2017). O uso da Gamificação no projeto “Português Divertido”, uma proposta de interdisciplinaridade. II Congresso sobre Tec. na Educação. Recuperado de http://ceur-ws.org/Vol-1877/CtrlE2017_AR_07_49.pdf

Minuzi, N., Saidelles, T., Barin, C., & Santos, L. (2018). Gamificação na educação profissional e tecnológica. 23º Seminário I. de Educação, Tec. e Sociedade, 2018. Recuperado de https://seer.faccat.br/index.php/redin/article/view/1061

Pozo, J. (2004). Aquisição de conhecimento: quando a carne se faz verbo. Porto Alegre: ARTMED.

Queiroz, R. (2019). Uso da gamificação no processo de ensino e aprendizagem no curso técnico em enfermagem: um relato de experiência. Congresso de Tecnologia na Educação. Recuperado de https://bit.ly/3gwvHMQ.

Sampaio, D., & Bernardino, M. (2018). O uso de metodologias alternativas no ensino de Biblioteconomia. Pesquisa brasileira em ciência da informação e biblioteconomia, 13(1). Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/pbcib/article/view/39432

Silva, J. (2015). Uso de gamificação como instrumento de avaliação da aprendizagem. Revista Fatec Zona Sul, 1(2). Recuperado de http://www.revistarefas.com.br/index.php/RevFATECZS/article/view/12/46

Silva, J., Andrade, M., Oliveira, R., Sales, G., Alves, F. (2018) Tecnologias digitais e metodologias ativas na escola. Revista Thema, 15(2). doi 10.15536/thema.15.2018.780-791.838

Schwartz, S. (2014). Motivação para ensinar e aprender. Petrópolis: Vozes.

Vasconcelos, L. (2017). Level Learn: um ambiente para apoiar a gamificação em sala de aula. XII Workshop de pós-graduação e pesquisa do Centro Paula Souza, 2017. Recuperado de https://bit.ly/3jamiMC +

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Giordano, P. D. C. V., & Souza, L. T. D. de. (2021). A gamificação e a motivação dos alunos: considerações sobre técnicas efetivamente aplicadas na educação profissional. REVISTA ENIAC PESQUISA, 10(1), 26–38. https://doi.org/10.22567/rep.v10i1.767

Edição

Seção

Artigos